Orientação a Objetos: princípios de OO para arquiteturas robustas

quinta-feira, 8 de maio de 2014

"Este artigo aborda conceitos de orientação a objetos que permitirão ao leitor desenvolver código com maior qualidade visando maior reutilização, menos defeitos, design mais simples e melhor separação de responsabilidades. Para isto, são apresentadas interpretações dos conceitos fundamentais da orientação a objetos que servirão como alicerce para o aprofundamento nos conceitos de design que nortearão o desenvolvimento de aplicações mais robustas."

Este é o resumo do artigo Orientação a Objetos: princípios de OO para arquiteturas robustas.

O artigo, do qual eu e da Cristina Cerdeiral somos autores provavelmente será do interesse de todos que utilizam orientação a objetos foi publicado na edição 127 da revista Java Magazine, de distribuição nacional e não aborda nada específico de Java nem apresenta código Java algum, sendo assim bastante útil a desenvolvedores de outras tecnologias (a exemplo de outros artigos deste blog).

A página na qual assinantes podem ler online permite ler uma parte inicial:

"No nosso cotidiano, usamos generalizações todo o tempo. A generalização é um mecanismo extremamente útil que nos permite fazer referência a um grupo de indivíduos de uma determinada população através de suas características comuns.
Por exemplo, ao referenciarmos os alunos de uma turma através do nome da turma, estamos utilizando a característica daquelas pessoas serem alunos e a participação em um determinado grupo como características comuns. É muito mais simples do que enumerar todos, um a um, pelo nome.
Assim, recorremos a duas generalizações (“alunos” e a participação em uma turma específica) para “delimitar” o universo de indivíduos a que estamos nos referindo.(...)"


Boa leitura a todos.

Bookmark and Share

Workshop de Melhoria de Processos de Serviços baseado no modelo MPS.

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Para quem não conhece o Modelo MPS para Serviços, vale a pena ir ao workshop. O Modelo MPS apresenta algumas diferenças (inclusive conceituais) em relação ao ITIL, é compatível com o modelo CMMI for Services e pode ser utilizado para avaliação dos processos das empresas em níveis de capacidade e maturidade exatamente como o MPS Software e o CMMI Software com a vantagem de contar com profissionais habilitados e altamente capacitados em várias cidades brasileiras, inclusive no Rio de Janeiro como a COPPE/UFRJ e a Implementum que estão realizando o workshop.

É uma excelente oportunidade e estudantes contam com desconto de mas de 50%.


Abraço a todos!

Bookmark and Share

 
addthis_config = { data_ga_tracker: pageTracker }