Manifesto Ágil para entender a Agilidade

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Uma vez eu estava assistindo a uma palestra do David Card ("Measuring Software Design Quality" (Prentice Hall, 1990) e "Practical Software Measurement" (Addison Wesley, 2002)) e ele falou uma coisa bastante interessante, sobre a busca por um processo Lean.

Ele disse que uma pessoa pode ficar magra de duas formas. Fazendo uma dieta ou treinando para correr uma maratona. E ele pergunta retoricamente, qual das formas se espera que seja mais saudável, com os melhores resultados no final.
É um ponto de vista muito interessante que eu gostaria de aproveitar para explorar. Na apresentação dele, ele falava que muitas empresas querem ter um processo Lean e acham que vão conseguir isso fazendo cortes, cortando atividades e pulando etapas enquanto que o Lean que traz benefícios deveria vir através de um processo contínuo de melhoria.

Estou falando disso por causa da moda Ágil. Muitas empresas hoje em dia gostam de dizer que são Ágeis porque usam XP ou que são Ágeis porque usam Scrum ou seja lá o que for. Ser Ágil não é seguir um script. Ser Ágil exige mudar o mindset.

Não adianta deixar de gerar os artefatos que agregam valor para o cliente ou para a empresa. Também não adianta trocar artefatos que se gerava para gerar outros sem entendê-los ou sem extrair benefício suficiente deles, benefício que os justifique.

Não existe receita de bolo correta. Nenhuma empresa faz Scrum igual. Nenhuma empresa faz XP igual. Cada empresa tem sua própria cultura organizacional, seu perfil, seus clientes, etc, e fazer modificações Ágeis significa entender o mindset.

Acho que este é o principal valor do Manifesto Ágil. Entendê-lo é entender que não é necessário seguir a receita A ou B para ser Ágil (até porque na primeira necessidade de adaptação, correr-se-á o risco de perder a Agilidade.

O que é necessário é melhorar o seu processo, seja qual for, seja um processo aderente a algum nível do MPS.BR ou do CMMI, seja algum processo baseado exclusivamente em um framework Ágil, de forma a atender os seus objetivos sem gastos desnecessários de recursos, sem perder o foco e melhorando sempre.

Falando em foco, teve recentemente uma discussão bem interessante na lista da APLN Brasil sobre melhoria contínua e métodos Ágeis. A pergunta original era sobre uma empresa que teria, hipoteticamente, estabilizado seus processos Ágeis de forma que era difícil enxergar uma melhoria.

Acho curioso como algumas equipes vêem a melhoria como uma forma de se chegar a um modelo de desenvolvimento Ágil, lean. É muito fácil esquecer que as melhorias devem estar alinhadas com os objetivos estratégicos organizacionais e que estes nunca estão satisfeitos, logo, as melhorias devem ser buscadas de forma a se atingir estes objetivos. Se vc acha que não tem muito o que melhorar é porque está olhando para um cenário bem limitado, como suas atividades diárias. Com uma visão mais ampla do negócio e suas necessidades, as melhorias começam a aparecer com mais facilidade. Mas este é papo para outro post.


Links:

Agile Project Leadership Network (APLN):

Lean:

Agile Manifesto:
http://www.manifestoagil.com.br/ (tradução do oficial)


Scrum:
http://www.scrumalliance.org/ (en - Oficial)


Abraço a todos!

Bookmark and Share

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
addthis_config = { data_ga_tracker: pageTracker }